Cirurgia da Obesidade

Excesso de peso atinge 52,5% dos brasileiros, segundo pesquisa Vigitel
Taxa de obesidade é de 17,9% no país, de acordo com Ministério da Saúde.
Excesso de peso é maior entre homens: 56,5% contra 49,1% das mulheres.

 

  • Mais da metade dos brasileiros têm excesso de peso, segundo pesquisa
  • Quase metade da população está acima do peso, diz Saúde
  • Fumantes representam menos de 15% da população, diz Saúde
  • Ministério da Saúde diz que 5,6% dos adultos brasileiros têm diabetes

Pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde revela que o índice de brasileiros acima do peso segue em crescimento no país - mais da metade de população está nesta categoria (52,5%) e destes, 17,9% são obesos, fatia que se manteve estável nos últimos anos.

Gráfico obesidade (Foto: G1)

Quero fazer uma cirurgia da obesidade, será que posso?

De acordo com o Conselho Federal de Medicina, para realizar a cirurgia de Obesidade Mórbida, é preciso se adequar aos seguintes critérios:
Resolução Nº 1.942 (Publicada no D.O.U. de 12 de fevereiro de 2010, Seção I, p. 72) Altera a Resolução CFM nº 1.766, de 13 de maio de 2005, publicada no Diário Oficial da União em 11 de julho de 2005, Seção I, página 114, que estabelece normas seguras para o tratamento cirúrgico da obesidade mórbida, definindo indicações, procedimentos e equipe. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela Lei n° 3.268, de 30 de setembro de 1957, regulamentada pelo Decreto n° 44.045, de 19 de julho de 1958, respectiva e posteriormente alterados pela Lei nº 11.000, de 15 de dezembro de 2004, e Decreto nº 6.821, de 14 de abril de 2009, e CONSIDERANDO que o alvo de toda a atenção do médico é a saúde do ser humano, em benefício da qual deverá agir com o máximo de zelo e o melhor de sua capacidade profissional; CONSIDERANDO que o médico deve aprimorar continuamente seus conhecimentos e usar o melhor do progresso científico em benefício do paciente.

Em resumo, os pacientes elegíveis para a cirurgia bariátrica são aqueles que apresentem Índice de Massa Corporal acima de 40 ou acima de 35 com alguma das doenças associadas a obesidade.

 

Cirurgia Bariátrica e Metabólica

Cirurgia bariátrica é a nomenclatura utilizada para designar os procedimentos cirúrgicos para redução de peso. Cirurgia metabólica é a empregada para tratamento das causas da síndrome metabólica, principalmente o diabetes melitus tipo 2, nem sempre em pacientes obesos mórbidos.

 

Quais os tipos de cirurgia para tratar a obesidade?

Conheça os métodos cirúrgicos pra tratar a obesidade:

Cirurgia de Bypass (desvio do estômago)

Também conhecida como grampeamento gástrico é uma técnica cirúrgica mista, que promove restrição da ingestão alimentar associada a mudança na absorção de nutrientes.

Cirurgia de Sleeve (manga gástrica)

Realizada por videolaparoscopia, atualmente tem ganho muitos adeptos entre médicos e pacientes por ser uma cirurgia menos radical que as cirurgias bariátricas consagradas e que pode oferecer ótimos resultados em termos de perda de peso.

Balão Gástrico

O balão intragástrico é um balão de silicone a ser colocado no estômago em que é instilado líquido (soro fisiológico), ou ar em seu interior.

Intervenções Endoscópicas

É um novo método de tratamento para pacientes que fizeram cirurgia bariátrica no passado e voltaram a ganhar peso.

Cirurgia Bariátrica

Cirurgia bariátrica é a nomenclatura utilizada para designar os procedimentos cirúrgicos para redução de peso. Cirurgia metabólica é a empregada para tratamento das causas da síndrome metabólica, principalmente o diabetes melitus tipo 2, nem sempre em pacientes obesos mórbidos.

Cirurgia de Bypass

Também conhecida como grampeamento gástrico é uma técnica cirúrgica mista, que promove restrição da ingestão alimentar associada a mudança na absorção de nutrientes. Esta associação técnica revolucionou a cirurgia bariátrica, permitindo ótimos resultados em termos de perda de peso, com baixo risco de complicações, em equipes altamente especializadas.

Quais são as vantagens da cirurgia de bypass?


Corretamente chamada na literatura portuguesa de cirurgia de derivação gástrica, tem como principais vantagens:

• Perda de peso em média em torno de 30 a 40 % de perda de peso total.
• Índices de reganho de peso em torno de 8 a 10 % a longo prazo.
• Risco de complicações nutricionais aceitável.
• Resultados comprovados por mais de 30 anos.
• Baixo índice de complicações, em equipes experientes.
• Tempo médio de internação de 48 horas para a técnica vídeolaparoscópica, que representa a via de acesso para quase todos os casos operados pelo nosso grupo.
• Possibilidade de melhora de doenças graves como hipertensão, diabetes, dislipidemias (colesterol e triglicerídeos elevados), apnéia do sono, problemas osteoarticulares, desempenho físico, infertilidade, doença do refluxo, entre outras, muito elevado.

Quais as desvantagens da cirurgia de bypass?

• Risco de complicações tardias como úlceras e hérnias internas que eventualmente podem levar a reoperações.
• Risco de anemia, desnutrição que normalmente são controláveis com medicamentos mas ás vezes podem necessitar de suplementação parenteral (na veia).
• Risco de reganho de peso, por complicações cirúrgicas, mas principalmente por abuso de doces, carboidratos e bebidas alcoólicas.
• Risco de intolerâncias alimentares e dumping.

O que é dumping?

Dumping é uma complicação que ocorre após algumas cirurgias gástricas, no caso, principalmente após o bypass em que o paciente pode apresentar um ou mais dos seguintes sintomas: taquicardia (coração acelerado), tonturas, sudorese, náuseas, dor abdominal tipo cólica, diarreia, sensação de desmaio eminente. Ocorre normalmente de 30 minutos até 2 horas após a ingestão de doces ou massas, embora possa ocorrer com outros alimentos.

Quais são os riscos desta cirurgia de bypass?


Hoje, nosso grupo, um dos pioneiros do Paraná, exercendo ativamente a cirurgia bariátrica desde 1998, apresenta um índice de reoperações e complicações graves comparáveis aos melhores centros de excelência mundial.

• Risco de reoperações: 5%
• Risco de óbito: 0,3%.

Eu já fiz algumas cirurgias abdominais, posso fazer esta cirurgia por vídeo?


Seu caso tem que ser julgado individualmente. Nossa equipe tem uma das maiores experiências brasileiras em casos complexos e de reoperações.

Cirurgia de Sleeve (gastrectomia vertical ou manga gástrica)

Também conhecida como gastrectomia tubular ou cirurgia da manga gástrica, é um método cirúrgico para tratamento da obesidade, realizado por videolaparoscopia, sob anestesia geral, que atualmente tem ganho muitos adeptos entre médicos e pacientes por ser uma cirurgia menos radical que as cirurgias bariátricas consagradas e que pode oferecer ótimos resultados em termos de perda de peso.

Como saber se a cirurgia de Sleeve é uma boa cirurgia para mim?


As principais indicações da gastrectomia tubular são as seguintes:

• pacientes com IMC entre 35 a 40 kg/m2 com indicação de cirurgia bariátrica, principalmente homens em qualquer idade ou mulheres nos extremos de idade (< 18anos ou acima de 60 anos).
• Pacientes que não querem ser submetidos a cirurgias com derivação intestinal.
• Pacientes que querem evitar riscos de úlceras, anemias ou complicações intestinais.
• Pacientes que não podem ser submetidos a cirurgia com derivação intestinal, tais como: pacientes com radioterapia abdominal prévia, múltiplas cirurgias ou aderências intestinais, doenças inflamatórias intestinais como retocolite ou doença de Crohn.

Quem não deveria fazer esta cirurgia de Sleeve?


• Pacientes submetidos a alguns tipos de cirurgias bariátricas e gástricas prévias.
• Pacientes com fundoplicatura (cirurgia de hérnia de hiato) prévia, podem ter mais riscos de complicações.
• Pacientes com condições abdominais ou gerais impeditivas, tais como cirrose hepática, (fígado), insuficiência cardíaca, coronariopatia ou pneumopatia de elevados riscos anestésico-cirúrgicos.

Como funciona a cirurgia de Sleeve para perder peso?


Realiza-se um grampeamento do estômago que determina a formação de um tubo. Este tubo gástrico, que passa a ser o novo estômago, têm em média de 150 a 200 ml. Lembre-se que um estômago não operado têm em média de 1500 a 2000 ml de capacidade. Além da redução de volume, que leva a uma saciedade muito mais precoce a cirurgia de sleeve também leva a perda de peso por resultar na ressecção do fundo gástrico, que é o principal produtor de um hormônio chamado ghrelina, que é um dos hormônios responsáveis por aumentar o apetite. Portanto, como os níveis deste hormônio em pós operatório são bastante reduzidos, os pacientes perdem peso, também por uma redução hormonal de apetite.

Qual pode ser minha expectativa de perda de peso com esta cirurgia de Sleeve?


Em média os pacientes perdem de 25 a 40% de perda de peso total com esta cirurgia. Embora estes valores variem muito, dependendo também de adesão do paciente ao tratamento multidisciplinar, dieta, ritmo de atividade física, controle de ansiedade e compulsões, entre outros.

Eu posso voltar a engordar com esta cirurgia de Sleeve?


Infelizmente nenhum tratamento para a obesidade é 100% garantido. Qualquer tratamento pode levar a recorrência da doença, mesmo porque se trata de uma doença crônica, multifatorial que têm aspectos comportamentais (dieta e atividade física), genéticos, hormonais, psicológicos entre outros.

E se eu engordar novamente após a cirurgia de Sleeve, posso ser reoperada (o)?


Todo paciente bariátrico deve considerar como sua melhor oportunidade, sempre a primeira cirurgia, portanto, informe-se, pesquise, discuta exaustivamente com o seu cirurgião e equipe todas as possibilidades de tratamento e escolha conjuntamente com seus familiares, cirurgião e equipe sua melhor opção. Infelizmente por diversos motivos o reganho de peso pode ocorrer após qualquer cirurgia bariátrica, variando em sua intensidade, também de acordo com a técnica cirúrgica empregada. Somos uma equipe de grande experiência em reoperações complexas., até mesmo por coordenarmos um curso de pós graduação em cirurgia minimamente invasiva. Tratamos casos de reganho de peso de vários tipos de cirurgia bariátrica. A cirurgia de Sleeve, nasceu como uma cirurgia a ser feita em 2 tempos, no entanto, os resultados foram surpreendentemente bons e muitos pacientes não necessitam de uma segunda operação, o que tornou a cirurgia de Sleeve, uma das principais cirurgias do armamentário terapêutico para a obesidade grave.

Balão Gástrico

Balão Gástrico Considerado uma alternativa de tratamento para a obesidade, o balão intragástrico é um balão de silicone a ser colocado no estômago cheio de líquido (soro fisiológico), ou ar . O método de colocação e retirada é por endoscopia, não exigindo nenhum procedimento cirúrgico. O preenchimento do espaço gástrico feito pelo balão reduz a capacidade de reservatório alimentar, com isso, a quantidade de alimento que a pessoa precisa para se saciar vai ser menor. Ele atua como um “auxiliar” ao tratamento clínico.

INDICAÇÕES DO BALÃO INTRAGÁSTRICO


Embora muito utilizado no início para o tratamento da obesidade mórbida, o balão gástrico tem se mostrado mais útil para pacientes com obesidade Grau I ou para pacientes que se beneficiem com perda de até cerca de 12 quilos (média de perda de peso com o método). As indicações para o balão incluem:

• Pessoas com sobrepeso, obesidade Grau I (IMC entre 30 ou 34) ou Grau II (IMC de 35 a 39) que já 
seguiram os tratamentos para perda de peso: dieta alimentar, atividade física e medicamentos, sem resultado.
• Pessoas com sobrepeso, obesidade grau I ou II, com plano de cirurgias estéticas ou de outro caráter, que necessitam de 
perda de peso para maior sucesso cirúrgico.
• Pessoas com obesidade mórbida que necessitam de redução 
de peso pré-operatório.
• O balão não é recomendado para pacientes que possuem cirurgias gástricas prévias, doenças gastro-esofágicas importantes ou que por algum motivo de saúde não possam ser submetidos a procedimentos endoscópicos.

MÉTODOS DE COLOCAÇÃO E REMOÇÃO


Tanto a colocação como a retirada são procedimentos ambulatoriais, sem necessidade de internação, sem cortes e realizados por profissionais especializados em endoscopia avançada.

O desenvolvimento de novas técnicas garante a segurança e conforto na colocação e retirada do balão. O paciente é sedado conforme rotina e o procedimento é totalmente reversível, sem seqüelas para o paciente. A remoção do balão deve ser feita até 6 meses após sua colocação.

APÓS A COLOCAÇÃO


Este é o momento para mudanças de hábitos alimentares e de estilo de vida, e é bom estar preparado para estas mudanças para garantir o resultado do balão. O monitoramento da dieta será fundamental durante esta fase, e deverá ser realizado por um médico ou nutricionista. Atividade física acelera a perda de peso e faz parte do tratamento, então programe-se para praticar exercícios com um profissional especializado já antes de colocar o balão. Alguns casos podem necessitar de apoio psicológico. No caso de colocação de balão como finalidade de perda de peso para cirurgia estética, o procedimento estético pode ser programado a partir de 3 meses de colocação do balão. Nesse caso, a retirada do balão se processa normalmente, após 6 meses de sua colocação. Um segundo balão pode ser recolocado após 2 meses da retirada do anterior em casos selecionados.

CONCLUSÃO


O balão intragástrico é considerado uma alternativa de tratamento segura e minimamente invasiva para obesidade. Atualmente os melhores resultados com o balão intragástrico são obtidos em pacientes com obesidade grau I ou que necessitam de perda de peso para cirurgias estéticas e que já tentaram tratamentos clínicos anteriores sem sucesso. Os resultados esperados do balão intragástrico vão depender do seguimento de um estilo de vida saudável baseado em atividade física e alimentação adequada, que devem ser mantidos após sua remoção.

Cirurgia Endoluminal

É um novo método de tratamento para pacientes que fizeram cirurgia bariátrica no passado e voltaram a ganhar peso. Através de endoscopia sob sedação aplica-se um Laser, chamado argônio, na anastomose (nova comunicação realizada na cirurgia de bypass entre o pequeno estômago e o intestino delgado).

Como funciona este laser para reganho de peso?


A aplicação do argônio por endoscopia promove uma queimadura na região da anastomose que resulta após a cicatrização, num fechamento parcial do canal de comunicação entre a pequena câmara gástrica e o intestino na cirurgia de bypass., o que leva a uma saciedade mais precoce e por conseguinte pode levar a perda de peso.

Este tratamento endoscópico com laser, pode ser realizado várias vezes?


Alguns estudos têm demonstrado que normalmente são necessárias de 3 sessões de argônio na anastomose dependendo do seu calibre para se chegar ao calibre próximo do ideal que determinaria lentificação na passagem da comida do estômago para o intestino, por conseguinte, saciedade mais precoce, podendo levar a perda de peso.

Este tratamento com laser de argônio têm riscos?

Todo procedimento tem riscos. Já foram descritos casos de sangramento, anemia, dor intensa em pós operatório e estenose (fechamento excessivo da anastomose) após este procedimento. Entretanto o apelo de se poder ter uma nova chance de perda de peso significativa com um procedimento de baixo risco e que pode evitar uma cirurgia muito mais complexa são fatores que têm levado muitos pacientes a nos procurar para a realização deste método.

Qual o resultado que posso esperar deste tratamento com laser de argônio?


Por se tratar de um problema complexo, em pacientes já operados, com tipos distintos de causas de reganho de peso, os resultados são imprevisíveis, no entanto em média, os pacientes têm perdido de 3 a 5% de perda de peso total por sessão, o que resulta em média numa perda de 12 a 20% de perda de peso total. Deve-se ressaltar a importância da equipe multidisciplinar que irá trata-lo conjuntamente, com reorientação de dieta, tratamento psicológico/psiquiátrico da ansiedade e reinserção em programas de atividade física regular para que se alcance os melhores resultados possíveis.

GASTROPLASTIA ENDOSCÓPICA


A gastroplastia endoscópica é o mais novo método de tratamento da obesidade. Consiste de se realizarem suturas das paredes do estômago por via endoscópica, diminuindo o tamanho do estômago e consequentemente aumentando a saciedade precoce, como acontece com as cirurgias que diminuem o tamanho do estômago.

Esta técnica diminui menos do que os métodos cirúrgicos já utilizados, e não deve ser empregada em pacientes que têm índices de massa corpórea muito altos, onde somente a cirurgia traz resultados consistentes e duradouros.

Cirurgia Metabólica

Cirurgia Metabólica Gastro‐Intestinal: “a cirurgia do diabetes”

O estudo durante anos dos resultados do tratamento cirúrgico bariátrico (cirurgias para perda de peso) mostrou os amplos benefícios da perda de peso. As evidências que alguns procedimentos bariátricos geram mudanças metabólicas que não podem ser atribuídas somente à diminuição do peso corporal fortaleceram o termo “cirurgia metabólica”, ou como ficou mais popularmente conhecida a “cirurgia do diabetes”, justamente por ter efeitos benéficos substanciais no controle glicêmico. Enquanto o procedimento bariátrico baseia-¬se no índice de massa corpórea (IMC) para orientar o tratamento e a técnica a ser usada, a cirurgia metabólica usa parâmetros clínicos de disfunções do metabolismo para definir e individualizar a opção cirúrgica mais adequada para cada caso. O procedimento metabólico pode qualificar pessoas ao tratamento cirúrgico mediante a dificuldade em controlar o colesterol, a pressão arterial e a glicemia, chegando a agir beneficamente até em situações particulares de insuficiência renal, o que não seria obtido pela simples avaliação do IMC. Concluindo, a cirurgia metabólica gastro¬‐intestinal faz uma abordagem visando não só o bom resultado em pacientes com obesidade mórbida, mas especialmente nos que estão expostos a obesidade discreta e disfunções metabólicas de difícil controle como o que acomete os portadores de diabetes tipo 2.

Ficou alguma dúvida?



Ficou alguma dúvida?