Obter Adobe Flash Player
  Cirurgia Robótica
  Cirurgia Aparelho Digestivo
  Cirurgia Videolaparoscópica
 
Obesidade
» Hérnia de hiato ou azia

Cirurgia Laparoscópica para Doença do Refluxo Gastroesofagiano (DRGE)

“Queimação" ou “azia” são os termos utilizados para descrever os sintomas do aparelho digestivo relacionados à Doença do Refluxo Gastroesofagiano (DRGE). O que ocorre é o retorno do ácido do estômago para o esôfago, ocasionando uma sensação de queimação que sai do peito e sobe para o pescoço. Muitos adultos sentem este desconforto uma vez ao mês. Essa freqüência é considerada normal, acima disso é que o médico deve ser avisado. O refluxo pode apresentar outros sintomas como regurgitação (alimento voltar à garganta), tosse, dificuldade na deglutição, chiado no peito.

A CAUSA DA DRGE:

Quando comemos, o alimento caminha da boca até o estômago passando por um órgão tubular chamado esôfago. No final do esôfago há um pequeno anel muscular, chamado esfíncter esofagiano inferior, que atua como uma válvula permitindo que o alimento passe para o estômago e que o ácido estomacal não retorne. A DRGE ocorre quando essa válvula não funciona adequadamente e o ácido do estômago sobe para o esôfago. Isso causa uma irritação (química) do esôfago, gerando o sintoma de queimação ou a azia.

Além de problemas com o esfíncter esofagiano inferior, há hábitos que podem ocasionar um relaxamento do esfíncter do esôfago, levando ao refluxo e conseqüentemente à azia. Por exemplo, ingestão de alimentos condimentados ou picantes, chocolates, alimentos mentolados, medicamentos, roupas muito apertadas, fumo, bebidas alcoólicas, exercícios vigorosos (principalmente os que necessitam de prensa abdominal).

A hérnia de hiato pode estar presente em vários pacientes que sofrem de DRGE, sendo uma das causas da doença do refluxo ou seu mantenedor.

Entre o tórax e o abdome existe um músculo que separa estas duas cavidades chamado diafragma. O orifício por onde o esôfago passa pelo diafragma para chegar ao abdome chama-se hiato. Normalmente, o hiato é estreito, dando espaço somente para a passagem do esôfago. Quando o hiato se encontra alargado por inúmeros motivos, o estômago "sobe" para o tórax formando a chamada hérnia de hiato.

Na imagem ao lado, observa-se o esôfago e uma porção do estômago que "subiram" para o tórax através de uma hérnia hiatal.

Não há necessidade de o paciente ter hérnia de hiato para ter azia (refluxo gastroesofagiano).

Nem todo o paciente, que tem hérnia de hiato, tem doença do refluxo. Nestes pacientes, só há indicação de cirurgia quando a hérnia é muito grande e comprime os órgãos próximos a ela como pulmão e coração.

O TRATAMENTO DA DRGE

Pode ser feito por três iniciativas:

1) Mudanças nos hábitos de vida;
2) Terapêutica medicamentosa;
3) Cirurgia

A cirurgia é indicada para pacientes que não respondem aos tratamentos habituais por ser uma intervenção definitiva para solucionar a DRGE. A CIRURGIA VIDEOLAPAROSCÓPICA para correção da DRGE evita os grandes cortes cirúrgicos abdominais e proporciona rápido restabelecimento.

A cirurgia anti-refluxo reforça a válvula entre o esôfago e o estômago (esfíncter esofagiano inferior), envolvendo a porção superior do estômago ao redor da porção inferior do esôfago (como uma gravata).

Exames fundamentais para a realização da cirurgia anti-refluxo:

• Endoscopia digestiva alta
• Manometria esofágica
• pHmetria esofágica de 24 horas (indicado em alguns casos especiais)

O MÉDICO DEFINIRÁ A INDICAÇÃO DA CIRURGIA CONFORME O RESULTADO DESSES EXAMES.

PREPARO DO PACIENTE EM CASO DE CIRURGIA:

Devem ser realizados exames pré-operatórios rotineiros
Após meia noite do dia anterior da cirurgia, deve ser feito jejum absoluto
No caso do paciente usar medicações diárias, o cirurgião definirá qual a melhor forma de administrá-las na manhã da cirurgia. Se há uso de anticoagulantes ou aspirina, o cirurgião definirá quando o uso deverá cessar antes da cirurgia.

O anestesista responsável pelo pré-operatório visita o paciente no quarto
Quando acordar da anestesia, o paciente ficará num local apropriado, chamado de recuperação anestésica, sob constante cuidado até ser liberado para o quarto.

APÓS A CIRURGIA

Pontos - Paciente é orientado a ter atividades leves na primeira semana após a cirurgia até a retirada dos pontos que acontece após 7dias.

Dor - No pós-operatório, a dor é de leve a moderada, controlada com analgésicos leves. Se houver dor intensa o médico deve ser avisado.

Alimentação - Iniciar com dieta líquida, progredindo para líquido-pastosa, pastosa e normal conforme se der a supressão dos sintomas.

Atividade - Deverá voltar às atividades normais em uma semana e exercícios físicos após 15 a 30 dias, conforme a tolerância do paciente.

O PACIENTE DEVE PROCURAR O MÉDICO NAS SEGUINTES SITUAÇÕES:

- Febre constante (acima de 38°C)
- Sangramento contínuo na ferida operatória.
- Aumento de dor abdominal ou inchaço no abdome.
- Calafrios
- Tosse persistente ou respiração curta
- Secreção na ferida operatória

Home | Quem Somos | Equipe | Obesidade | Orientações | FAQ | Calcule seu IMC | Videos | Fale Conosco
Rua Dona Adma Jafet, nº 74 - conj. 83 | Cep: 01308-050 | Bela Vista - São Paulo/SP
TELEFONES: 11 3514-6027 / 3514-6028 / 3514-6029
OStin - Consultoria em tecnologia na área da saúde